Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

quinta-feira

BRASILEIROS, COLÔNIA DA POLÍTITICA


Uma vez li uma frase interessante: “O brasileiro não é hospitaleiro, é colonizado” foi expressa pelo vocalista da banda Ultraje a rigor, Roger Moreira, referindo-se a como tratamos os estrangeiros.  Concordei ,em parte, porque se é fato que  temos  automatismos de subserviência, não coloco como determinante nossa afeição pelas pessoas como um mero “clic” automático, ao menos isso, nos permitam ter como qualidade.

Mas, destarte essa questão acredito, sim, que sofremos em nossa personalidade cívica um sério distúrbio que, na verdade, até hoje impede nossa formação integral como cidadãos do país Brasil e participante da comunidade Mundo, que é o que apontou Roger: Temos a mentalidade de colonos. Somos uma eterna vítima de um destino atrelado a um poder que simplesmente nos educaram como superior. Como sempre uma análise histórica explica muita coisa.

Quando tivemos a independência de Portugal, não houve sequer uma batalha, houve um acordo. E não haveremos de nos colocar contra acordos que impedem perda de vidas, porém, a questão é mais profunda. A independência nos apartou de Portugal e não da Monarquia, e isto foi um grande mal. À rigor, o povo não sentiu independência alguma, seu espirito não foi revitalizado com uma alternativa. A mente coletiva colonial subserviente a um monarca pôde permanecer em cada um, e arraigar-se em nossa cultura.

A República que veio muito depois chegou poluída pela mentalidade colonial de forma que o povo não entendeu seu papel, sua liberdade e seu poder. E não entende até hoje. Os políticos imediatamente assumiram seu lugar como nossos monarcas e principalmente colonizadores exploradores.

Dessa forma, eles nos exploram, roubam e se riem. Recolhem nossos impostos com voracidade e não distribuem em benefícios sociais. Alteram as leis a seu bel prazer para que possam fugir de investigações, compram favores, e quando não se aguentam sobre o próprio peso, é claro, aumentam os impostos.

Tudo pode ser feito porque não existe um povo livre para questioná-los e sim um  povo colonizado. O povo brasileiro reclama mas ama seus políticos como antigamente amava seus principes e monarcas. Não importa o que um ou outro faça, nós os defendemos, atacamos um ao outro e votamos neles outra vez. Não há eleição democrática que possa mudar a mentalidade de um povo, subserviente em uma cultura de colônia esculpida há centenas de anos.


Isto é um processo lento. Depende de educação, educação de qualidade. Não à toa, professores são perseguidos como se fossem conspiradores de uma hipotética inconfidência intelectual, é preferível enforca-los socialmente do que motivá-los. Acredito em pessoas que pensem,! Apenas issso. Um pouco de lógica e bom senso já dariam a resposta. Não ouço gritos selvagens de revolução, porque são estúpidas e em geral, trocam seis por meia dúzia. A questão não é o sistema e sim, as pessoas, sua falta de educação e civilidade. Enquanto mal orientados seja esquerda, centro, direita, extrema isso ou extrema aquilo, sempre, sempre haverão os colonizadores e os colonizados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário